7.08.2008

Momentos Paulistanos...* 05

Bia cresceu pelas ruas do centro. Morou os primeiros anos de vida no Vale do Anhangabaú, depois na 23 de Maio e hoje no Cambuci. Quando ainda tinha dezoito anos parava enfrente ao prédio "Luz" da Av. Paulista e pensava na vida - na verdade não gostava de pensar, achava um trabalho doloroso e desnecessário, afinal para onde a levaria seus monótonos pensamentos?! “Lugar algum!” – pensava.

Precisava arrumar um emprego. Com a ausência de sua mãe e com seu irmão doente, não poderia viver da pensão miserável de seu pai, que não via há anos, sabia apenas que estava vivo pelo extrato mensal do valor que caía em sua conta. Enquanto sua irmã do meio, Amanda, cuidava de Paulinho, ela sairia para trabalhar. Acabara os estudos e sentia-se disposta e inteligente.

Numa cidade grande a concorrência é imensa e mesmo sendo inteligente e bem apresentável não conseguiu outro trabalho a não ser o de atendente na lanchonete 24 horas de frente ao MASP. Trabalhava em média de onze a treze horas por dia e todos os dias da semana. Precisava bancar os remédios de Paulinho, da doença que não era descoberta.

Numa quinta-feira, chegou cedo na lanchonete, colocou o avental e foi para a chapa, fez alguns lanches, quando o seu Berto a chamou e disse que era sua irmã no telefone, pensou no irmão.

"Ai meu Deus! Será que ele piorou? Ou será que não aguentou a alta dosagem dos remédios? Sabe, por um lado eu não aguento mais, ando tão cansada, tão exausta, trabalhando tanto ultimamente, não saio, fico em casa, sou mãe e pai ao mesmo tempo, até quando conseguirei viver assim? Se fosse melhor, preferiria que Deus o levasse para junto dele. Ficaria muito aliviada, assim poderia viver minha vida em paz..."

- Alô!

- Bia?

- Diz Amanda, o que foi?

- ...

- Amanda?

- ...

- Amanda, você está aí?

- Estou.

- O Paulinho....?!

- Está aqui, tomando os remédios.

- Então por que você me ligou!?

- Para te dar os Parabéns. Feliz aniversário! O Paulinho tá te mandando um beijo e disse que te ama!

Bia tremeu e se deixou emocionar. Havia esquecido do seu aniversário.

- Obrigada Amanda, eu levo um bolo pra gente comer a noite. Dê um beijo no Paulinho e diz que eu também o amo muito, que ele vai ficar bom...

Desligou o telefone.
Era sua família, seu irmão, as únicas pessoas que tinha.

Engoliu o gosto seco do pensamento torpe.

8 comentários:

marcela p. disse...

§

Gostei do argumento e, sobretudo, da chave de ouro que tem caracterizado os seus textos.

Mas se você for analisar o estilo, vai ver que ele fugiu um pouco da linha que vinham os outros da série.

Além de ter acrescentado informações sobre o "passado" da personagem, o que pode até ser , o narrador deixa de ser apenas observador para emitir juízos: "Numa cidade grande a concorrência é imensa e mesmo sendo inteligente e bem apresentável (...)".

Acho que essa informação poderia ter sido deixada subentendida, mas não compromete o todo que, pra variar, foi outro soco no estômago.

Estou adorando e ansiosa pelo próximo, rs...

Beijinhos!

§

Adriano Veríssimo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Adriano Veríssimo disse...

Ahhh que delícia Mah!
É, percebi exatamente isso, que fugiu um pouco do estilo dos outros, e isso me deixou na duvida se assumir o narrador como participante de opinião ou o personagem assumi-lo como sua história...Estou a uma semana analisando-o, vendo se valeria a pena postá-lo...mas não estou aqui pra acertar ou errar neh!? Só escrever e expor...

rsrs

Obrigado pelo o toque, pela sua opinião...É muito bom e melhor ainda vindo de você!

Beijo enorme

Zek disse...

Cara seus posts / textos ( nunca sei como me referir rrsrrss) são bem bacanas, você tem algo que eu estou buscando ... um estilo, quem sabe um dia eu encontro o meu!!!

Abs!!!!

Ju disse...

caraca... arrepiei. texto lindo, emocionante, apesar da triste realidade...
beijos!
:)

Adriano Veríssimo disse...

Opa Zek...Não diga isso querido, ainda estou em busca desse estilo...rsrs

Grande abraço



..........


Ju, feliz pela tua visita, saudade de vc por aqui! rs

É, a realidade normalmente não é tão boa neh!?

Beijin

Clara disse...

"Na medida do impossivel, tá dando pra se viver...na cidade de SP`o amor é imprevisivel como vc!"

Sou sua fã!

Adriano Veríssimo disse...

Oie meu amoooooooooor!
É...não é fácil e não está sendo fácil viver nessa cidade...mas quem mora nela, consegue largar?
rs

haushaushaushaushaushau

Eu é que sou seu fã!!!!!!!

te amo

beijin