8.31.2007

Lugares Proibidos

" A você que me dedica o pôr-do-sol de um Domingo inexpllicável e eu te dedico a lua de um Sábado longe de ti.
O que acontece entre nós não entendo, e não quero entender, vou deixar a razão muito longe disso tudo. Estou extasiado! E as palavras somem quando não tenho o tal do teu Beijo..."


Lugares Proibidos
(Helena Elis)

Eu gosto do claro quando é claro que você me ama
Eu gosto do escuro no escuro com você na cama
Eu gosto do não se você diz não viver sem mim
Eu gosto de tudo, tudo que traz você aqui
Eu gosto do nada, nada que te leve para longe
Eu amo a demora sempre que o nosso beijo é longo
Adoro a pressa quando sinto sua pressa em vir me amar
Venero a saudade quando ela está pra terminar
Baby, com você já, já
Mande um buquê de rosas, rosa ou salmão
Versos e beijos e o seu nome no cartão
Me leve café na cama amanhã
Eu finjo que não esperava
Gosto de fazer amor fora de hora
Lugares proibidos com você na estrada
Adoro surpresas sem data
Chega mais cedo amor
Eu finjo que não esperava
Eu gosto da falta quando falta mais juízo em nós
E de telefone, se do outro lado é a sua voz
Adoro a pressa quando sinto sua pressa em vir me amar
Venero a saudade quando ela está pra terminar
Baby com você chegando já


Beijo no coração,

Adri Veríssimo

4 comentários:

Arlequinal disse...

§

Como não lembraria?

Bobo!!

Mas lá no "poste" eu colei um recadinho ainda mais mal-educado... rsrsrs...

Beijo!

§

O Véio disse...

Ai, ai, a saudade!

hehe

O Avesso do Poeta disse...

Sem saber que a felicidade está no que não se conhece...

Cícero Nascimento disse...

yes!!!

Entendo, o quanto, as vezes, nossas palavras se tornam melancólicas.
Entendo, o quanto,as vezes, nos tornamos pessoas atenciosas a ponto de perder a noção do mundo que roda em torno de todos e nunca apenas de nós mesmos.

Adorei a idéia.
Sucesso!