7.02.2007

Sou "AVE PLENA"

Após uma bateria de apresentações, de ensaios ( que continuam ), de correrias, de preocupações - estou normal, estou assim, sem mais e nem menos, mas normal.

Hoje escrevi uma poesia que me descreve no dia de hoje, chamada " Ave Plena ".

Ave Plena

sou ave sem céu
sem chão
que voa, mas tem medo de cair
ave sem penas
mediadora de clima
que passa pelas vidas
e não se vê

ave errante
ave de ninhos

que ama o ar
que me faz voar
sem esperança de vida
que a morte, um dia,
se destina

sou ave amadora
de ventos uivantes
de brisa serena
que embeleza o mundo
e faz a natureza humana
Plena

( Adriano Veríssimo )

Obrigado a todos que compareceram nas apresentações do FULANA e também ontem no FECT. Valeu pela energia!

EVOÉ!

Bjo grande,

3 comentários:

O Véio disse...

Adriano,

Que teus ventos uivantes firam com a dor maternal de tuas brisas serenas! Voe sempre, suba cada vez mais alto, não tenha medo de errar. Pois teus erros são insignificantes perto de teus vários acertos! E tua ousadia é o que a arte e o teatro mais precisam, cara!

Como eu disse via Yorkut, não vou te dar parabéns de novo (Vai lá ler para saber o porque). Mas mando um grande abraço pela bela noite de domingo!

;-)

P.S.: ...e que tuas brisas serenas sejam tão intensas quanto teus ventos uivantes!

Murillo disse...

AIAIAI essa nossa arte, essa nossa inquietação, esse nosso jeito de querer sentir que o palco seja mais nosso do que nunca, nos faz criar coisas belas como as imagens que vimos domingo a noite naquele teatro.Mtas vezes, abstratas,mtas vezes codificadas de acordo com o repertório daquele que assiste, mas sempre fazendo uma troca catartica através de imagens, de signos e de músicas.
Acho que crescemos a cada dia e cada vez mais experimentar o que é experimental é preciso, por que isso cause a admiração de muitos e mtas críticas de outros, isso é o que o mundo chama de colocar a cara pra bater, sendo feliz por saber que fizemos o que queriamos e mudamos nem que por 25 minutos o universo de 500 pessoas.

Parabéns Verissimo, parabéns!

suruka disse...

Cheguei cá por acaso
estou a gostar deste espaço.

Lindo poema.
Parabéns.

Abraço