5.27.2007

Água, Sal e Espuma..

Dedicarei
Essa poesia feita de águas salgadas e mansas
E com minhas palavras te levarei ao fundo do mar
Sem precisar respirar

No fundo do mar mora a sereia
a dona do mar
Onde as minhas poesias andam a esmo na praia
de águas mornas e sujas de areia

Confie em mim
Sou pequeno ao tamanho do mar
Mas acredite, seremos devolvidos
Sal, espuma e corpo, como entramos
Acredite!

O mundo é grande e cabe nessa janela,
O mar é grande e cabe nessa cama de amar.
O amor é como o mar,
Podemos ver o começo, mas não o fim.

Acredite!

( Adriano Veríssimo )

3 comentários:

Aryane: no jardim dos lírios disse...

O mar pode ser..
imensso como o sol,
bonito como um sonho
infinito como o amor......................

rsrsrs lindo texto coração, lindo msm

beijão Ary

Deusa Do Amor e waterboy disse...

ola miguxo
lindo poema
maravilhosas palavras
bom domingo
beijo doce

O Véio disse...

Glub, glub?


bilumblumglaum... Blub!

;-)

Águas mansas era o que eu estava precisando, depois de diversos tsunamis seguidos! :-P


Valeu, Veríssimo!