5.22.2007

Sou puta...

Sou da noite, da Augusta enfrente ao Inferninho, a rua mais agitada de São Paulo. Aqui aos Sábados o que não faltam são programas com os mais variados homens, moleques que se acham homens, mulheres, e mulheres que se dizem mulheres, mas que comigo gostam de usar seu jeito grosseirão.
Sou puta, mas podem me chamar de Garota de Programa, é mais bonito. Ou se preferirem, de Acompanhante. É tudo a mesma coisa, mas eu sou puta. Uma puta feliz, uma puta de classe. Não com shorts minúsculos deixando a bunda à mostra, por isso poucos sabem que sou puta, mas isso não faz com que eu não consiga clientes, pelo contrário, atendo por volta de cinco a seis clientes por noite, com direito a ótimos motéis, suítes presidenciais, flats, apartamentos duplex. Qualquer puta gostaria de ter a vida que tenho, mas o que posso fazer? Sou uma puta de luxo, de não abrir as pernas para qualquer bêbado fedido que aparece. Ou chupar um moleque só por que ele é bonitinho. Gosto de ser bem tratada, de me embebedar com Chandon e ter um bom jantar com frutos do mar.
Faço de tudo na cama, sou liberal, entretanto não queiram que eu faça nada sem camisinha, pois tive uma amiga, que era a puta mais requisitada de São Paulo na década de 90. Só que ela vacilou e adoeceu com a doença que já estava superada - morreu de Aids. Depois daí, comecei a valorizar mais minha vida, e mesmo por que tenho uma filha e não poderia morrer por descuido meu. Gosto do que faço, tenho prazer, gosto de gozar em paus diferentes, mas isso não diz que não sofro. Sofri e sofro por amor, por um cliente que não me quis, ou melhor, me quis sim, só para fuder - e eu gostava - ele foi o melhor homem que peguei até hoje. Ele me fazia mulher de verdade. Gozava compulsivamente, era sobrenatural. Mas ele era casado, e eu sabia. Eu puta, e isso eu também sabia. Não gosto de falar sobre essas coisas, me deixam mal. Será que um dia, vou ser aceita com a profissão que tenho?
Por isso que continuo ganhando dinheiro. Já comprei meu apartamento, meu carro e aumento a conta de minha filha durante os anos, quero garantir seu futuro.
Sou puta, e sou mulher. Sou puta, e tenho coração. Sou puta e pago impostos. Sou puta, como você, só que eu cobro.

Beijinhos,

Keyla ( a puta )


( TEXTO - ADRIANO VERÍSSIMO 22/05/07 )

1 comentário:

Aline disse...

Como assim?

De onde vem essas inspirações mocinhu?

Vejo que você é um homem vivido, apesar da cara de menino.

Beijinhu

Aline